segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Antonio Maria

No meio de tantas poesias, letras de músicas, enredos,  e "coisas" escritas sobre amor, eis que eu encontro uma crônica diferente. Uma crônica sobre o desamor. E é linda.


O coração dos homens - Antonio Maria


Vi-a passar. Comecei a vê-la de longe, quando despontou na rua.
Conheci-lhe a blusa, mas achei diferente a maneira de caminhar.  Aquele andar mole, de quem não vai para lugar nenhum.
Talvez não fosse o caso, no entanto; as pessoas, quando não estão felizes, ou quando estão infelizes, por mais que andem, parece que não vão para lugar nenhum.
Pensei que fosse outra pessoa.
Há muitas blusas da mesma cor e muita gente que anda sem saber das  pernas. Sem ir para lugar nenhum.
Mas o cabelo também era dela - ou melhor, era dela de tarde -, puxado a escova, de um jeito qualquer, sempre às pressas, às vezes com desgosto.
Era ela, sim, e veio andando.
Pensei em deixá-la passar e só dizer-lhe uma coisa, se ela me visse e me demorasse os olhos.
Mas eu não havia sentido aquele aperto no coração, que as pessoas sentem, quando têm culpa, ódio ou amor, na pessoa que passa.
Eu estava inocente, nela.
E procurei mesmo os seus olhos, durante todo o tempo em que veio vindo.
Um simples sentimento amistoso se apossava de mim e me impelia ao gesto tristemente fraternal de abrir-lhe os braços, com aquela naturalidade dos amigos que nunca se sofreram... E dizer as palavras esparsas, sem conteúdo, sem raízes - sem a dor necessária que há no fundo de todas as palavras de quem ama. As interjeições idiotas dos amigos banais, quando se encontram: ah! eh! ih! oh! uh!
Eu senti, deploravelmente, que seria capaz de todas as interjeições idiotas, de todas as vogaís com "h", de todos os beijos desprezíveis que os amigos trocam nas bochechas. Então procurei, as pressas, aflitamente, dentro de mim, um pouco de dor - fosse ela feita de ciúme, de despeito, de vaidade (fosse do que fosse),
e não encontrei.
A gente quando precisa das coisas não encontra nunca!
E ela estava cada vez mais perto. Já podia ver-lhe os olhos, os mesmos e belos de sempre. Mas tão sem destino quanto o andar. Por que ao menos isso não me comovia? Não havia tempo, mas, naquele minuto que em minha mente era espaçoso e demorado, revi as minhas angústias passadas. Todas
tão intensas e verdadeiras. Todas esquecidas, agora, como se eu tivesse uma memória nova, sem marcas ainda, e se a antiga apenas lhe tivesse contado o que com ela se passara. Exatamente isso: eu me lembrava, mas as lembranças, embora tão nítidas, não me faziam bem nem mal.
Ah, que desgosto de mim!
Enfim, quando passou à minha frente, disse-lhe o nome: Fulana! Parou, subitamente, como se recebesse nas costas uma flechada de índio. E nãoparou, apenas. Imobilizou-se, como se imobilizavam os personagens de Carne, nos Vosifeurs du sor.
Depois é que voltou o rosto e me fitou nos olhos. Eu olhei sua boca, porque era sempre em sua boca que as coisas aconteciam. Qualquer acontecimento de sua alma (de triste ou alegre) foi sempre na boca que transpareceu. Como uma criança.
As crianças têm a boca mais comovente que os olhos. Aquele breve fremir do lábio inferior,
que precede o choro da criança, é, a meu ver, o momento mais grave do ser humano. A gente não respeita e o chama de "fazer beicinho"...
E essa moça, que vinha vindo, guardou isso, do tempo em que foi criança.
Seus olhos sabem esconder, omitir, nentir. A boca não sabe. E foi sempre por ela que me guiei. Sempre diante dela, quando fremiu, que desci, pesadamente, a todo o meu sofrimento.
Vi-a, agora, e não sentia nada. Que sem jeito iria ficar, se ela chorasse.
Estendi-lhe os braços, amistosamente. Perguntei-lhe, sem querer, pela saúde... Como é melancólico chegar-se à paz tão perfeita de perguntar-se pela saúde da pessoa que se amou. Os amantes não cogitam dos detalhes como saúde. Fiz todas as coisas banais, dos amigos.
Beijei-lhe as bochechas. Ofereci-lhe as minhas (não aceitou), como se fosse um general francês. Segurei-lhe os ombros com as mãos. Mexi-lhe o cabelo, e, à medida que mais amistoso me mostrava, mais me perdia de mim mesmo. Agora, sim, me perdia e não conseguia fitar o seu olhar duro no
meu, como que a me cobrar aquele ar magoado que sempre tive, quando...
Eu a habituara à ciumosa aflição dos meus olhos.
E agora? O que restava, agora? Se pudesse, pedir que seguisse. Que me deixasse em paz, com a minha repugnante serenidade de gente livre e forte.
Seu olhar mendigo, nos meus olhos. Sua boca de criança, cujo ricto eu gostaria de desmanchar com as mãos porque sentia que, dali em diante, começaria a sofrer.
E ela entendeu. Passou, na boca e nos olhos, o punho da camisa. Como se acordasse, tirou-me de sua frente com uma das mãos, e, sem dizer nada, foi andando, com um andar que, então, não era só infeliz, mas trôpego e indefensável, como o dos bêbedos.
Fiquei a espiá-la, de longe, até desaparecer entre as outras pessoas. Ia batendo os ombros contra os
outros. De vez em quando, era olhada com insolência pelos homens que olham as moças bonitas. Uns lhe diziam coisas, que deviam ser as mesmas sordices que os homens dizem, há milênios, quando passam pelas mulheres bonitas.
Eu a espiava de longe, sem sentimento nenhum... Ou com um leve sentimento de proteção, que poderia transformar-se num gesto de defesa ou ajuda. Eu a espiava, apenas, vago e desatento. Quanto mais depressa desaparecesse, melhor para mim, que não tenho coração.


Clique para saber mais sobre esse autor pernambucano: Antonio Maria.

sábado, 29 de outubro de 2011

Have you ever seen the rain ?

Umas das músicas mais perfeitas que eu conheço.
E voz desse cara, sem comentários. Hour concour!


Decepção

Essa semana tive uma "big" decepção na minha vida.
Porque tinha depositado uma grande fé numa certa coisa e (essa coisa não deu certo) ela simplesmente não rendeu o que eu ansiava.
Chorei, perdi o chão. Quase o fim.
Mas, agora que está passando, estou vislumbrando uma nova meta, uma nova fé.
E a frase que melhor cabe a esse momento segue aqui embaixo:

' Ou luta ou se cala. Não é tempo de queixas.' John Zerzan

Nada de queixas. Volto à luta!

sábado, 15 de outubro de 2011

Indo

Vai menina, fecha os olhos.
Solta os cabelos.
Joga a vida.
Como quem não tem o que perder. Como quem não aposta.


Caio Fernando Abreu

Draminha de tempo nublado

- Não é triste? - perguntou - Você não se sente só?
(…) Sorriu forte:
- A gente acostuma.


Caio Fernando Abreu
"Quem não reage, rasteja."

D2

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

Ansiando

Significado no dicionário: desejando ardentemente

Palavra latente em minha cabeça nesse último semestre da graduação.
Outubro, finalmente chegou.
Mas a ansiedade ainda domina a mente na dura espera pela chegada do fim do curso, do fim do ano, do fim de uma era.
Tão difícil e tão necessário viver um dia de cada vez. Imagine então, ter que viver um mês de cada vez.
São tantos planos, tantos resultados e tantas promessas por vir a se realizar.
Como acalmar ?
Não sei.
Mas quando o meu tempo chegar, no bom sentido, estarei mais leve.
Pra, de novo, renovar minha ânsia pela vida e pelos acontecimentos futuros.
Será que esse futuro que eu tanto espero vai mesmo conseguir me mudar ?
A experiência dirá.

terça-feira, 28 de junho de 2011

Deixe

"Somos um grão de sal, no mar do céu.

Calma.


Tudo está em calma.

Deixe que o beijo dure.
Deixe que o tempo cure."

(Paulinho Moska)

Pra entrar no clima da paz, tranquilidade e calma que as férias nos trazem, segue essa música boa.
(; Bjim!

quarta-feira, 11 de maio de 2011

Reconhecimento

"Num deserto de almas também desertas,
uma alma especial reconhece de imediato a outra."


Caio Fernando Abreu

terça-feira, 10 de maio de 2011

Pensamento rápido

Impressionante como a confiança muda tudo.
Pode também ser chamada de FÉ e isso é, sem dúvida, o que há de mais precioso na vida!

sexta-feira, 6 de maio de 2011

Diálogo

Durantes esses dias tenho me sentido mal por ter falado as minhas verdades.
Mas por outro lado, não defendê-las seria uma auto-mutilação.

Seguindo adiante e esperando conforto para o coração.

segunda-feira, 11 de abril de 2011

Lidando com pessoas

Hoje lembrei de um certo pensamento sobre o modo como as pessoas falam sobre si para outro que pode ser, ou não, seu amigo.
E se tem um tipo de gente com quem devemos ter cautela é com aqueles que guardam o favor que te fizeram e jogam na sua cara quando você menos espera, cobrando com juros e crueldade.
Ou ainda, cuidado com aquelas que guardam seu momento indefeso e frágil pra primeira oportunidade de usá-lo em favor próprio.

É difícil.

Difícil falar suas próprias fragilidades e defeitos com outra pessoa que os usa contra você.
(Isso não é amizade)
Porque ao que parece, tem pessoas que não tem defeitos.

domingo, 10 de abril de 2011

Mudando

Geralmente a movimentação aqui do blog se dá aos domingos ou então durante os meses de férias.
Já hoje... não fugi a regra, vim escrever num fim de domingo... rsrs

"Eu já mudei de casa,
 cidade,
 até de opinião...


Isso se chama: viver! "
 
 
(Vi numa propaganda de tv =D e achei ótimo)

terça-feira, 29 de março de 2011

Clarice

"E eu que esperava fogos de artifício,
percebi que as estrelas não fazem barulho."


C. Lispector

quarta-feira, 23 de março de 2011

Hoje aprendi uma coisa

Um coisa simples.
As palavras devem ser entendidas e se saber o real sentido (e motivo) delas, antes de se dizer...

domingo, 27 de fevereiro de 2011

Viva e deixe viver! ;D


Ricky Martin - The best thing about me is you

Ricky Martin, quando eu era adolescente colecionava fotos e reportagens sobre ele. Cresci e parei de colecionar coisas, mas aindo admiro muito.
Essa música é belíssima e pode ser vista sob significados diferentes, depende do que existe dentro de você pra enxergar o que há entre a melodia e a letra da música.
Sem pensar muito, só sentir a música e a voz desse cara fantástico, já vale!

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Fim do dia

Certo dia, eu estava tão cansada de um dia de trabalho e faculdade, que chegando no prédio que eu moro aconteceu uma coisa um tanto estranha.
Foi logo no primeiro ano da faculdade, a aula começava as 17h20 e terminava ás 23h, e eu acordava
às 5h00 pra trabalhar, passava em casa na volta do trabalho, juntava o material da facul e ia assistir as benditas aulas logo em seguida.
Era muito cansativo esse ritmo e me consumia até os últimos neurônios!
Ainda tinha o resto da minha vida que corria por fora dessa dupla arrasadora trabalho-faculdade.
Pois então, agora que estamos ambientalizados nesse egípcio conflitante momento da minha vida, seguiremos ao fato que ocorreu no fim de um típico dia dessa época "nobre" da minha história.
Cheguei, como todos os outros dias, no hall de entrada do prédio cumprimentei o porteiro com um "boa-noite!" sonolento e entrei no elevador no modo automático, já apertando o botão com o número do meu andar. Sem perceber, fiz a bobagem!
Apertei o botão do andar que ficava logo abaixo do meu. E, claro, não percebi a merda bobagem que tinha feito.
Desci no andar errado.
E como fazia sempre ao sair do elevador, virei a direita e fui em direção a segunda porta do corredor.
Mas, muito estranho, as chaves não entravam e começei a forçar um pouco. "Que droga, viu... poxa... eu quero um banho, comer e dormirrr", eu pensei. Toquei a campainha 3 vezes seguidas e começei a chamar pelo meu marido, num tom de voz irritada.
Foi quando uma voz rouca de um homem velho falou lá de dentro: "quem é ?"
Aí eu despertei a consciência e entendi o que tinha feito.
Rapidamente saí pelo corredor, subi as escadas correndo silenciosamente e desesperadamente.
Quando cheguei em casa, no meu andar e no apartamento correto, conferi o design da porta e da fechadura, coloquei a chave macio e a porta abriu.
Ufa! Entrei e tranquei a porta, o coração se acalmando.
Graças a Deus, fim do dia!

sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

Smash into you

Uma das músicas mais lindas dessa grande cantora americana.
Deixando de lado todos os preconceitos com relação ao "estilo" que o cd dela possa ser rotulado nas prateleiras de uma loja de cds e dvds. Pra mim, nesses tempos modernos, é a maior estrela da música internacional. Cantando, dançando, entrentendo, emocionando e divertindo (tudo ao mesmo tempo) musicalmente.
Beyoncé = Diva
Recomendo o DVD da última turnê mundial que ela fez, I'm World Tour.
Abaixo a música "Smash Into You" com legenda:


quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

Saudadezinha

Essa época do ano, pra um baiano estar longe da sua terra é terrivelmente triste um tanto melancólico =,(
Que época é essa ?
Começa com o verão lá pelos meados de dezembro, vai passando pelo natal perto da família, o reveillón na beira do litoral baiano, entramos em janeiro e depois vem os alagamentos do sudeste (que ninguém merece passar por isso, todo ano a mesma coisa), passa pelo Festival de Verão em Salvador, vai beirando o pré-carnaval em fevereiro com muito calor e maresia, e enfim, chega o carnaval e o ápice do verão nas praias e pessoas com roupas leves e apropridas para o clima isso não inclui jeans e nem tênis.

Morando longe de casa, infelizmente a gente sempre fica um pouco por fora do que acontece por lá em termos de música, moda e tudo mais baianístico que há.
Exemplo disso foi outro dia, que eu estava conversando com um grande amigo de Itabuna (Ba) pelo msn e ele citou um trecho de uma música que eu nunca tinha ouvido. Fiquei meio mal quando ele disse que era um hit por lá, fiquei pior porque a música era boa.

Mas, ainda bem que existe avião, folgas e formatura do irmão, pra usar como desculpa pra visitar minha linda e iluminada terrinha.

E ainda bem que existe YouTube, pra gente matar as saudades e se manter atualizado do que acontece nessa terra ebençoada.

Axé pra você!

Segue o vídeo da música referida.

video

Ronaldinho Gaúcho

Ontem, quarta-feira de futebol, estava eu excepcionalmente assistindo o jogo do flamerda (=D) flamengo por causa da estreia de Ronaldinho Gaúcho. Posso não ter uma grande simpatia pelo time, mas eu adoro ver o bom futebol e isso me estimulou a ver o jogo (e também a derrota do Corínthians foi de dar um pouco de pena, mas enfim).


Eu achei muita festa pra pouco futebol, o camisa 10 deu uns passes estilosos, mas não correspondeu as minhas expectativas, assim como de muita gente que assistiu querendo ver uma grande exibição dele. Eu sei que a marcação em cima dele é forte, que é o primeiro jogo, ainda falta mais entrosamento e tal e tal. Veremos os próximos jogos e como o novo capitão rubro-negro se comporta encarando times grandes, como o atual campeão brasileiro, o Fluminense.

Mas, inevitavelmente, quando a câmera se aproxima do rosto dele e também no fim do jogo, quando ele dava entrevista dentro de campo, uma coisa chamou minha atenção e a de muita gente, é uma questão que me deixa até um pouco indignada: o porquê deste jovem e podre de rico jogador de futebol ainda não resolveu o problema dos dentes dele e da respiração bucal que ele aparenta ter.
Não é possível.

Minha Sta. Apolônia, ajuda ele!

quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

Os dentinhos da Suri

Conforme mencionado em um post antigo, Suri é uma das crianças mais fofas e encantadoras conhecidas da mídia mundial e por mim também. Queria que minha filhinha nascesse com pelo menos 10% da graça que ela tem... rsrs

Olha essa foto dela olhando os dentinhos no espelho:



Tem como não amar uma garotinha dessa ?

domingo, 30 de janeiro de 2011

Medo de dentista ?

Pra muita gente, o fato de ir ao dentista é um momento, vamos dizer... um pouco tenso!
O que mais existem são blogs e mais blogs discutindo e divertindo sobre esse assunto: o medo, pavor, angústia ou seja lá o que for do dentista.

Particularmente, desde criança eu sempre adorei ir ao dentista.

Adorava o cheirinho de eugenol, o ambiente branquinho e limpo do consultório. O fato de abrir a boca pra o monstro dentista ou o barulho do motorzinho alta-rotação não me incomodavam também. Pelo contrário, sempre saía do consultório com a sensação boa, de bons cuidados. Era bom.



Mas de acordo com esse vídeo, não é bem assim que funciona na cabeça de muita gente... rsrs


video

Faces do dente

Domingão ocioso esse meu.
Cá estou again nesse pululante, porém variado blog, novamente em um papo odontológico descontraído.
Como falei outra vez, é muito importante uma boa escovação, principalmente em todas as faces do dente. E eu acredito de verdade, que a informação é uma grande amiga da educação. Sabendo a gente evita cair no erro. Educando seguiremos num caminho bem mais próspero. E pra mim, o papel do dentista é, grande parte, educar o paciente e lhe passar informações importantes.

Muita gente quando higieniza os dentes com a escova esquece de limpar inteiramente os dentes, porque talvez não conheçam o dente inteiro. E é imprescindível escová-lo complemente. Ou seja, escovar as 5 faces visíveis do dente. Segue então uma explicação amiúde e quase pediátrica sobre a superfície do nosso amiguinho.
São elas: a face oclusal (parte que mastiga), a face vestibular (da frente), face lingual ou palatina (que fica voltada pra língua) e as 2 faces proximais (são as faces que tocam o dente do lado). As três faces livres (vestibular, lingual e oclusal) são limpas com as escova, porém as faces proximais, só podem ser alcançadas com o fio dental.

Por isso, se você não usa o magrelinho acessório odontológico, começe a usar JÁ. Porque sem ele, você não está escovando o seu dente completamente.

E aí, já viu né... o bichinho da cárie se aproveita.

Começo do fim

Fevereiro de 2011, é o mês que começa o meu último ano acadêmico da faculdade de Odontologia.
Grande ano pra mim, uma sensação de maior entrega ao curso e lógico, um bom friozinho na barriga.
É o ano que vamos tirar a prova dos nove, exercitar ao máximo nas clínicas, tirar todas as dúvidas e ao fim, encerrar um ciclo, encerrar a graduação e mergulhar no concorrido mercado de trabalho odontológico. E em janeiro de 2012, se as duas piores provas da faculdade as integradas permitirem, pegar o nosso tão sonhado registro no CRO. Uiiiii!!


O milagre da escovação dos dentes

Neste belo dia de domingo, estou eu em casa impossibilitada de sair a rua por motivo de repouso (sob orientação do meu digníssimo oftalmo.), sem poder me expôr a esse lindo e luzente sol que está alto e incessante em Sampa City. Resolvi aliviar essa angústia pela internet através do meu único e humilde, porém variado blog.

Outro recente dia, a minha sogra aqui em casa me perguntou sobre algum remédio ou tratamento que pudesse aliviar o sagramento quando ela escovava os dentes e a sensibilidade que ela ás vezes sentia. Eu disse que existia sim um milagroso tratamento, ela me olhou um pouco surpresa com a simpliscidade da minha resposta: escovar os dentes.

Vídeo sobre como escovar os dentes direitinho:


video


* É claro, que todo sangramento, sensibilidade ou outros sinais e sintomas devem ser criteriosamente avaliados por um cirurgião-dentista e o paciente seguir as orientações específicas para o seu caso.
Mas, o que eu queria salientar aqui é sobre a importância de simplesmente: escovar os dentes corretamente.

Usar uma escova macia, fazer movimentos leves e vibratórios na região do "pé do dente" (entre o dente e a gengiva) com o movimento de "vassourinha" pra fora, escovar todas as faces do dente visíveis e, lógico, usar o fio dental todos os dias. Eis a fórmula de um verdadeiro milagre, que irá reduzir muuuuitos problemas na saúde da sua boca.

Abaixo vídeo sobre como passar corretamente o fio dental :



video

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Choque de cultura

As pessoas quando viajam ou vão morar em outros lugares, geralmente se deparam com as diferenças entre o modo como se vive naquele lugar novo que ela conhece. E eu como uma boa baiana que veio morar em São Paulo sou uma prova pulsante de como é um choque cultural você vir morar em um lugar com outros costumes e jeito de viver totalmente diferentes e, pior, muitas vezes desconhecidos. A Bahia também é um estado nordestino conhecido pelo litoral deslumbrante, pessoas morenas e queimadas de sol e um sotaque peculiar e cantante comum ao povo do nordeste. (Apesar de que sob o olhar de muitos e muitos paulistas e paulistanos, a Bahia é mais que isso, é um lugar de onde vêm pedreiros, porteiros, cozinheiros ou outras profissões discriminadas pelos nossos nobres hospedeiros dessa região cinza do Brasil ou ainda onde as pessoas só sabem dançar axé e cantar por vogais. Mas não vamos dar foco a isso, porque depois daquele pobre e lamentável comentário de uma twitteira paulistana, não há nada mais o que se comentar a respeito disso.)
Sob o olhar das pessoas que moram num lugar, aquele que chega é visto como o diferente. Seguindo esse raciocínio as pessoas que chegam nesse local estranho também vêem muitas diferenças em grande parte das coisas que acontecem no dia a dia dessas novas pessoas.
Pra ilustrar o que aqui estou a divagar, o primeiro dia que pisei nessa cidade imensa que é São Paulo, não conseguia me situar. Aos 19 anos viajei sozinha até aqui umas longas 28h e quando cheguei na marginal Tietê olhando pela janela no ônibus vi tantos e tantos carros, um céu de cor esquisita, um cheiro ruim e meu nariz reagiu de modo estranho ao ar sujo daqui. Uma grande irritação nasal e um desconforto ao respirar. Desde então minha rinite nunca mais foi dócil como antigamente. Quando desci do ônibus na rodoviária, avistei meu tio que fora me buscar. Arrastando a mala pelas rodinhas olhava em volta e tentava acompanhar ele subindo grandes escadas rolantes por onde desciam e subiam uma multidão de pessoas, indo e vindo. Nunca tinha visto tanta gente junta em toda a minha vida, a não ser nos shows musicais que eu já tinha ido. *Naquele dia entendi o sentido daquele poema de Drummond, sobre as pernas que ele via no bonde.*
Desde então, foram só descobertas e mais situações, antes desconhecidas, que encontrei vivendo nessa cidade. Sempre quando eu ia falar alguma coisa as pessoas riam por causa do meu sotaque e muitas vezes não entendiam o significado de palavras que eu falava. Eu também demorei pra entender algumas palavras que são usadas por aqui. Comer tapióca (beijú), tomar sorvete (picolé), bala de goma (jujuba) e outras mais. Além do meu sotaque outra coisa se desencontrava das pessoas daqui: os cumprimentos. Lá na Bahia as pessoas se cumprimentam com 1 beijo em cada lado do rosto: total de 2 beijos. Enquanto aqui se dá somente 1. Ou seja, eu fiquei por um bom tempo beijando o vento quando conhecia alguém. Andar de ônibus, eis uma odisséia. São milhares de destinos diferentes, ônibus gigantes acoplados um no outro, com botões para dar o sinal ao invés de cordinhas pra puxar, e o pior, muitas e muitas portas para entrar e sair, e ainda possibilidades de sair do lado direito e também do esquerdo. Que aventura andar de ônibus. Na minha cidade a gente não passava mais de 20 minutos para atravessar a cidade, aqui demora 2 horas e você nem atravessou um terço dela. DUAS HORAS !! Em 2 horas eu ia pra outra cidade "longe" da minha, a gente VIAJAVA em 2 horas!

* Na foto aqui ao lado: eu, recém-chegada, na av. Paulista em outubro de 2006, perto de um carro da F1 exposto na calçada.

Por um curto tempo eu comecei a fazer um cursinho pré vestibular. Curto tempo porque as mensalidades desse cursinho correspondiam ao valor da mensalidade de cursos de graduação (mesmo conseguindo um bom desconto) nas dezenas de faculdades que existem em São Paulo, o triplo do que custavam na minha antiga cidade baiana. Mas foi uma experiência muito boa, recebia verdadeiros livros claros e atuais, resumos e outros livros de determinadas áreas da disciplina, no meu antigo cursinho eram xerox e apostilas simples encadernadas. Na sala de aula os professores corrigiam os exercícios lá na frente em voz alta junto com a turma, e quando os alunos tentavam acertar a opção certa dizendo a letra em coro, eu nunca entendia se era b, c, d ou e, porque a sonoridade é muito parecida (bê, cê, dê e ê, imagine mais de 50 pessoas gritando todas essas letras misturado), e quando eu pedia emprestado a lapiseira (apontador), as minhas colegas me davam o grafite (lapiseira).
Quando comecei a fazer faculdade e na primeira semana a professora exigiu que sempre entrássemos nos laboratórios de avental, eu pensei: "meu Deus, avental ? Será que eu não tô na turma de odonto ? Será que ela é prof de nutrição ?" Depois descobri que o avental era o jaleco. Durante o curso, alguma colegas levavam lanche pra sala de aula porque vinham direto do trabalho e tal. O detalhe sobre o lanche era que algumas tiravam da bolsa mexericas (tangerinas) e bananas. Frutas que ninguém normal da Bahia come numa sala de aula... rsrs E nas ruas daqui as pessoas não usam short's (short na Bahia, sem o "s"), nem saias, nem vestidos. As pessoas daqui só usam calças, mesmo no calor. E no frio, um certo dia uma amiga paulistana me perguntou: "você veio sem blusa?", eu pensei bem antes de responder, porque eu tava vestindo uma blusinha de manga longa, inclusive. Será que eu estava vestindo uma roupa inadequada ou fora de moda? Depois eu entendi que "blusa" se refere a casaco, roupa de frio. Minhas roupas de frio que eu tinha até chegar aqui eram jaquetas jeans simples, blusas de manga longa, blazers básicos e CALÇAS JEANS. E algumas pessoas vestiam roupas de gosto duvidoso, alguns homens usavam bermuda com tênis e a meia quase próximo do joelho, bem esticada, mulheres com calças de cós alto, bota por cima da calça.. sei lá, na época era fora de moda tudo isso. Percebi que as pessoas não sorriem pra ninguém e não cumprimentam em ambientes familiares ou no elevador, são esquivas e distantes. De onde eu vim as pessoas acenavam, sorriam ou diziam Oi! "descompromissadamente", sem se passar por "piriguete" mas sendo simpático e educado mesmo. E os shoppings ? Tantos e enormes. E as ruas? Imensas e lotadas de gente.
E quase todo mundo dessa cidade tem um carro. Não é privilégio de profissões nobres ou pessoas com bom poder aquisitivo. Aqui recepcionistas, flanelinhas, advogados, médicos e padeiros, todos têm carro, sem discriminação.
Tantos contrastes.
O engraçado é que para a maioria do povo de São Paulo, tirar fotos nas ruas esburacadas e velhas do Pelourinho é turismo, e pra ir à praia necessita reservar dinheiro ou planejar férias.
Na minha terra, pra ir à praia é só dar na telha, convidar um amigo 1 dia antes e questão de alguns minutos.
São muitas e muitas diferenças.
É um choque cultural, de verdade.

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Ser ou não ser...

Hiponcondríacos

No último mês que passou, dezembro de 2010, veio aqui na clínica que eu estagio um paciente meio "estranho".
Ele sentou na cadeira e pediu a dentista que o atendeu para olhar a boca dele porque ele tinha cárie, que talvez não estivesse escovando direito e etc.
Feito o exame clínico, observou-se que não havia nada anormal, estava tudo bem com a saúde bucal dele. Mas ele meio que ficou decepcionado e disse que tinha alguma coisa que precisava ser tratada.
Me ocorreu que esse homem poderia ter algum distúrbio, porque ele parecia ansioso e um pouco transtornado. A dentista, depois que ele saiu, me confidenciou que ele sempre vinha aqui pedindo tratamento, mesmo não tendo nada de errado com os dentes e adjacências. Era somente pra satisfazer uma vontade: de curar uma possível doença que não existia ou fazer algum procedimento não necessário ou pegar receita de algum medicamento... Sei lá!
Mas comentando com colegas, percebi que esse tipo de paciente é bem comum nas clínicas, com aquilo que podemos chamar de Hipocondria Odontológica. São pacientes que têm necessidade doentia de se medicar e ter diagnósticos de patologias que eles não têm.
É importante saber lidar com esse tipo de pesssoa, principalmente a gente, que é profissional da área da saúde e orientar que eles procurem uma ajuda especializada.

Estagiando e aprendendo!

sábado, 15 de janeiro de 2011

Certezas

Grande, grande, grande Mario Quintana.
Simples e extraordinário, sempre.


Certezas

Não quero alguém que morra de amor por mim.
Só preciso de alguém que viva por mim, que queira estar junto de mim, me abraçando.
Não exijo que esse alguém me ame como eu o amo, quero apenas que me ame, não me importando com que intensidade.
Não tenho a pretensão de que todas as pessoas que gosto, gostem de mim.
Nem que eu faça a falta que elas me fazem, o importante pra mim é saber que eu, em algum momento, fui insubstituível. E que esse momento será inesquecível.
Só quero que meu sentimento seja valorizado.
Quero sempre poder ter um sorriso estampando em meu rosto, mesmo quando a situação não for muito alegre…
E que esse meu sorriso consiga transmitir paz para os que estiverem ao meu redor.
Quero poder fechar meus olhos e imaginar alguém e poder ter a absoluta certeza de que esse alguém também pensa em mim quando fecha os olhos, que faço falta quando não estou por perto.
Queria ter a certeza de que apesar de minhas renúncias e loucuras, alguém me valoriza pelo que sou, não pelo que tenho.
Que me veja como um ser humano completo, que abusa demais dos bons sentimentos que a vida lhe proporciona, que dê valor ao que realmente importa, que é meu sentimento e não brinque com ele.
E que esse alguém me peça para que eu nunca mude, para que eu nunca cresça, para que eu seja sempre eu mesmo.
Não quero brigar com o mundo, mas se um dia isso acontecer, quero ter forças suficientes para mostrar a ele que o amor existe. Que ele é superior ao ódio e ao rancor, e que não existe vitória sem humildade e paz.
Quero poder acreditar que mesmo se hoje eu fracassar, amanhã será outro dia, e se eu não desistir dos meus sonhos e propósitos,talvez obterei êxito e serei plenamente feliz.
Que eu nunca deixe minha esperança ser abalada por palavras pessimistas.
Que a esperança nunca me pareça um “não” que a gente teima em maquiá-lo de verde e entendê-lo como “sim”.
Quero poder ter a liberdade de dizer o que sinto a uma pessoa, de poder dizer a alguém o quanto ele é especial e importante pra mim, sem ter de me preocupar com terceiros. Sem correr o risco de ferir uma ou mais pessoas com esse sentimento.
Quero, um dia, poder dizer às pessoas que nada foi em vão. Que o amor existe, que vale a pena se doar às amizades e às pessoas, que a vida é bela sim, e que eu sempre dei o melhor de mim… e que valeu a pena.


Mário Quintana

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

Tragédia anunciada

E lá vem a chuva...

... e lá se vão pessoas.


* A tragédia no Estado do Rio de Janeiro causada pelas chuvas no mês de janeiro, deixou sob lama e deslizamentos mais 500 mortos até o presente momento.
O detalhe que mais incomoda é o fato de isso acontecer todo ano: as chuvas, os deslizamentos e as mortes.
Uma pena que esse ano tenha tido proporções maiores e novamente os grandes responsáveis não tenham feito muita coisa pra evitar.

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Não se afobe não, que nada é pra já.

Música boa.

* Momento de ter paciência e tranquilidade. *

"Não se afobe não, que nada é pra já..." ;)


video

quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

Odontologia pra todos os cantos do Brasil

O Brasil é um país geograficamente imenso, isso é fato. As regiões brasileiras são diferentes entre si , isso fica claro em relação a deficiência na distribuição de renda, educação de baixo nível, estrutura social discrepante ao extremo, saúde desprezada e tantas outras patologias socias vergonhosas que a gente sempre sabe que existe e que afetam muito de cada parte desse país. E quando se trata de assistência em saúde bucal, as diferenças podem ser, igualmente e violentamente, muito grandes.
Parece que estamos tão longe uns do outros, porque mesmo sendo brasileiros, não nos conhecemos, não somos nada parecidos e vivemos, a cada região, seja o subúrbio, o sertão ou high-society, uma vida bem diferente dos nossos outros irmãos de pátria.
Segundo o último censo realizado aqui em nosso contrastante país, as regiões brasileiras norte e nordeste têm grande carência quando se trata de assistência e profissionais da odontologia e outras especialidades médicas também. Em alguns locais há saturação de consultórios e clínicas, enquanto em outros lugares há 1 único profissional para atender uma cidade inteira. Há poucos ali, enquanto está transbordando de dentistas. Por ser escassa a presença de tais especialidades de saúde, a remuneração oferecida para trabalhar nessas regiões também é diferente, o valor pago e o reconhecimento profissional é bem maior ($$$), assim como um certo sacrifício pessoal pra ficar longe de casa, da famílía, amigos e até mesmo o conforto, é diretamente proporcional.
*(na foto acima, Dra. Manuela orientando escovação)

Para obter números e o perfil atual e tendências do Cirurgião-dentista brasileiro, segue o link do site da ABO sobre o tema, abordado no Censo divulgado ano passado.

* (fotos acima à esq. e dir., Dra. Manuela em atendimento numa aldeia indígena)
E para ilustrar esse nosso papo, queria mostrar a "odisséia" de uma amiga, Dra. Manuela, recém-formada, que foi trabalhar e fazer uma especialização no norte do Brasil, no estado do Pará. Lá, ela atendeu índios da Funasa em condições precárias de saúde, principalmente saúde bucal. Conheci a Manu num curto estágio que fiz numa clínica odontológica popular, na periferia de São Paulo, no ano de 2009.

Segue aqui no post algumas fotos do trabalho dela, bem interessantes, sobre um pouquinho da rotina de assistência odontológica na distante região norte brasileira.
*

Parabéns, Manu. Tenho orgulho de ter conhecido você.
Boa sorte e muito sucesso!!


*(Mais em cima fazendo farra com os indiozinhos, logo abaixo perto de araras e ao lado a fila dos curumins para escovar os dentinhos =D)
  • Você pode ver as fotos em tamanho maior clicando sobre elas.


sábado, 1 de janeiro de 2011

1/1/11

Uêpa! Dia 1, do mês 1, do ano 11 do novo milênio.
E o ano começa bem!
Feliz ANO NOVO, que ele seja maravilhoso !

E começa a odisséia do último ano da faculdade.
Aproveitando as férias para voltar a escrever no blog, antes que o bicho do TCC me atormente a vida.

Mas, tô feliz pra caramba com esse ano que começa, na verdade feliz também porque 2010 acabou.
Que seja bem-vindo 2011!